Montar uma equipe forte e engajada em prol do crescimento da empresa é um desafio. Por isso, ao contratar funcionários para startups, é preciso cautela e montar um processo seletivo que leve em consideração os fatores primordiais para o negócio. Afinal, o objetivo é realmente encontrar as pessoas alinhadas aos objetivos da sua startup, certo?

A primeira recomendação para ser bem-sucedido nesse processo é definir o número de profissionais que você precisa para a equipe e quais serão os níveis de qualificação e experiência requisitados. Em seguida, é essencial fazer a divulgação dessas vagas em lugares estratégicos, pois, assim, será muito mais fácil atrair perfis que adequados para seu negócio.

Que tal conferir algumas dicas para se destacar nessa busca? Entenda agora mesmo quais são os principais requisitos para conseguir contratar funcionários de qualidade para startups!

1. Verifique se o perfil está alinhado com a cultura da empresa

Para começar com o pé direito, é importante checar se o candidato realmente corresponde ao que é proposto pela cultura da empresa. Ou seja, se ele acredita nos mesmos valores da equipe como um todo, se deseja o equivalente para a sua carreira profissional e se ele está disposto a contribuir para fortalecer os pilares nos quais a sua marca aposta e investe.

Uma boa forma de verificar essas questões é perguntando ao candidato o que ele pensa a respeito de algumas práticas e crenças da startup, mas sem ele saber que a informação faz parte da cultura da empresa. Você também pode questionar o que o profissional espera para si mesmo e como ele acredita que pode contribuir para o negócio.

2. Analise as soft skills do futuro colaborador

Antes de mais nada, você sabe o que significam as soft skills? Esse termo em inglês está ligado à personalidade e ao comportamento de cada pessoa dentro do universo profissional. Isso envolve, por exemplo, aptidões emocionais, mentais e sociais. Ou seja, as soft skills correspondem às habilidades individuais, nutridas, com o passar dos anos, pelas experiências culturais e educacionais, por exemplo.

Indo além, as soft skills estão ligadas também à forma como o profissional se relaciona com as pessoas e interage no ambiente corporativo. O impacto disso pode ser visto nos resultados da equipe e, já que são características realmente pessoais, quanto mais positivo o perfil do candidato for, melhor para a sua empresa. Para ficar ainda mais claro, alguns bons exemplos de soft skills são:

  • boa comunicação;
  • colaboração;
  • equilíbrio emocional;
  • capacidade de trabalhar em momentos de pressão;
  • flexibilidade;
  • facilidade de adaptação;
  • bom relacionamento interpessoal.

3. Confira o perfil comportamental do profissional

Durante a entrevista, é importante que você também avalie mais a fundo o perfil comportamental do candidato. Isso será até mais fácil se for no mesmo momento em que você estiver observando as soft skills dele, de acordo com o que apontamos no tópico anterior. Além de essencial para avaliar bem o profissional, o seu comportamento será um ponto decisivo.

Se uma pessoa extremamente tímida não se sentir confortável participando do desenvolvimento de projetos, contratando clientes, compartilhando ideias e até mesmo dando e recebendo feedbacks, por exemplo, ela provavelmente não terá o perfil ideal para integrar sua equipe. Por outro lado, uma pessoa muito extrovertida em um ambiente mais sério também pode ter dificuldades de interação e sentir-se retraída. Desse modo, para que essas situações não ocorram, é importante entender bem como é o perfil do seu negócio, a fim de encontrar funcionários compatíveis.

4. Verifique as experiências anteriores

As experiências anteriores dizem muito sobre o candidato. Por isso, antes de convidá-lo para a entrevista, é importantíssimo checar seu currículo, observando em quais empresas o profissional trabalhou e quanto tempo ele ficou em cada uma delas. Isso porque é comum se deparar com pessoas que ficam poucos meses em empresas e, se for esse o caso, vale a pena perguntar quais foram os motivos.

No caso dos estagiários, caso decida contratar esses funcionários para startups, o mais importante é observar quanto tempo ainda resta para que ele conclua seus estudos e quais são as habilidades do candidato. Isso porque, como ainda estão em começo de carreira, muitos deles podem ser inexperientes e estar em busca da primeira oportunidade de aprendizado prático.

Outra dica que vale a pena compartilhar refere-se ao que o profissional pensa sobre as tarefas que serão executadas no futuro trabalho. Veja se ele está à vontade para atuar nas funções do cargo ao qual está se candidatando, se tem dúvidas de quais serão as atividades diárias, e se o possível colaborador demonstra entusiasmo e vontade de começar a trabalhar na empresa — isso conta bastante.

5. Elabore um teste com situações reais

Conversar pessoalmente é sempre bom para analisar o perfil do profissional. Porém, é só na prática que você verá como ele realmente se sairá quando for contratado. Então, para ter ao menos uma ideia, elabore um teste que simule situações reais superadas pela sua startup. Afinal, o objetivo é ver como o profissional pode contribuir para o desenvolvimento da empresa e quais soluções ele propõe para a situação.

Não se esqueça de fazer um teste de idiomas durante a entrevista presencial ou remota. Afina, inglês é uma das línguas mais importantes para startups, então sempre cheque o nível de entendimento e fala do candidato. Isso também se aplica a outros idiomas, de acordo com as necessidades e exigências da sua empresa.

6. Divulgue as vagas nos lugares certos

Para que a sua vaga chegue até as pessoas certas, o ideal é divulgar em lugares que sejam especialistas nisso. Sites de recrutamento, portal de parceiros, faculdades, redes sociais, sites de notícias sobre startups etc são ótimos exemplos. Alguns agentes do ecossistema possuem páginas específicas de recrutamento para startups, como o Cubo, espaço de coworking do Itaú, possui uma página de divulgação de vagas em startups. Além disso, confira também os bancos de vagas mais tradicionais, como SINE e CIEE.

Vez ou outra, os jornais impressos também fazem materiais especiais sobre o mercado das startups e de tecnologia. Por isso, tente aproveitar esses momentos para fazer a divulgação de algumas vagas. Muitos profissionais leem esses cadernos e estão sempre atentos a informações de oportunidades, o que pode ajudar bastante na procura pelo profissional que você precisa.

Com essas 6 dicas em mãos, contratar funcionários para startups será uma tarefa bem mais tranquila! Desse modo, a dica final é não deixar para a última hora e fazer o possível para começar a seleção ao menos um mês antes de a vaga surgir!

Gostou do nosso conteúdo? Então, continue a leitura e saiba mais sobre a mentoria para startups!

Powered by Rock Convert