Em plena transformação digital, negócios que adotam um modelo criativo e com base na inovação radical têm maiores chances de sucesso e adaptabilidade a diferentes cenários. Por esse e por outros motivos, a inovação é um princípio básico para muitas organizações, em diversos segmentos.

Conhecer esse tipo de modelo, assim como saber como ele se difere dos outros, é importante para compreender qual é o viés de mudança adequado para o perfil da sua startup. Da mesma forma, você aprende a tornar sua empresa mais inventiva, acelerar processos e criar soluções, produtos e iniciativas que são indispensáveis para que um negócio seja mais competitivo e relevante no mercado atual.

Com o objetivo de orientar melhor você sobre o assunto, elaboramos este artigo para explicar o que é a inovação radical, mostrando 5 princípios básicos para implementar essa ideia na sua startup. Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura e confira!

Afinal, o que é a inovação radical?

A inovação radical acontece quando, após investir em pesquisa e desenvolvimento, uma pessoa ou empresa propõe um novo modelo ou solução para alguma questão. Essencialmente, é o surgimento de algo completamente inovador, que pode ser um produto, um conhecimento ou uma ideia.

Em geral, inovações radicais assumem um caráter revolucionário, já que elas tendem a modificar a forma com as coisas são vistas ou feitas em um determinado nicho. Ao mesmo tempo, elas abrem espaço para novos modelos de negócio, muitas vezes alterando profundamente as empresas.

Uma inovação radical pode trazer transformações estruturais, operacionais, comportamentais ou tecnológicas. Um bom exemplo disso é a computação na nuvem (Cloud Computing), que mudou totalmente a maneira como as pessoas compartilham e armazenam dados. Paralelamente, essa tecnologia possibilitou o surgimento de novos negócios e o aprimoramento de tantos outros.

Outro case de sucesso é a Netflix, a plataforma online de streaming de filmes e séries. Funcionando como uma grande videolocadora online por meio de assinatura mensal, a empresa modificou a forma como as pessoas assistem TV e consomem entretenimento audiovisual, disponibilizando uma alternativa para os usuários que não querem alugar filmes ou assistir à programação do sistema televisivo convencional.

Quais são os seus princípios básicos?

Promover a inovação radical em um segmento é possível a partir de uma mudança de mindset. Confira, a seguir, 5 pilares essenciais e veja como aplicá-los na sua startup.

1. Autonomia

O processo de inovação pode vir de qualquer lugar e acontece, na maior parte das vezes, de dentro para fora. Isso significa que, para conquistar resultados transformadores, é preciso modificar a estrutura organizacional da empresa.

Para trabalhar em um clima que favoreça a criatividade e o fluxo de ideias, os colaboradores precisam ter autonomia para se expressar, trocar experiências e colocar diferentes projetos em prática. Propicie um ambiente receptivo e flexível para encorajar a participação e o surgimento de novidades.

2. Criatividade

Uma ideia que é inovadora hoje pode ser vista de maneira diferente amanhã. A Netflix, por exemplo, chegou a essa conclusão em relação ao seu próprio modelo de negócios: o projeto era bom, mas, em pouco tempo, a empresa percebeu que ele poderia acabar.

Para contornar essa possibilidade, a companhia remodelou sua proposta, passando a investir em conteúdo próprio para manter a exclusividade e competitividade do modelo. Como resultado, conseguiram atrair novos clientes interessados nas criações e fidelizar muitos outros.

Assim, a inovação radical também está muito relacionada a criatividade e à importância de assumir uma postura proativa, tomando medidas fora da zona de conforto. O intuito é reinventar continuamente, pensando no futuro, analisando e antecipando tendências.

3. Gestão ágil

No primeiro ponto, falamos sobre a relevância de uma equipe que tenha liberdade e trabalhe de forma inovadora. A partir desse momento, uma manobra válida é adotar uma metodologia ágil, como a Lean Startup.

Essas abordagens são pensadas em um esquema de passos simples que, quando seguidos, mostram para o empreendedor um caminho para tracionar seu negócio de forma otimizada, com investimento baixo e gerando resultados mais rapidamente.

4. Trabalhos com parceiros

Firmar parcerias é uma excelente forma de crescer com o apoio de empresas com as quais a startup compartilha valores. Ao unir forças com outras corporações, a startup consegue ampliar sua rede de relacionamento, clientes e alcance.

Por exemplo: se um projeto estiver sendo desenvolvido em uma empresa, ela pode procurar por outra instituição que tenha interesse em apoiá-lo tanto em termos financeiros quanto viabilizando uma ferramenta tecnológica.

5. Pensar como um investidor

Investidores costumam apostar muito em novas ideias e, para isso, eles analisam riscos. Para muitos, arriscar é a atitude correta quando se pretende ter altos retornos — algo que tem tudo a ver com a inovação radical.

Sendo assim, tente, em certos momentos, não se preocupar excessivamente com riscos e lembre-se que para dar grandes passos e promover revoluções é preciso se aventurar com novas ideias.

Qual é a diferença entre inovação radical e disruptiva?

A inovação radical apresenta mudanças que alteram a base de modelos de negócios, trazendo novos produtos, processos, métodos, práticas de gestão, entre outros. Em muitos casos, ela marca o início de um novo ciclo.

Nesse caminho, um tipo de inovação radical é a disruptiva que, ao mesmo tempo em que desenvolve coisas novas, abala um contexto ou mercado já consolidado, impulsionando uma nova situação.

Como exemplo disso, temos o aplicativo de transporte Uber. Ele foi o pioneiro e possibilitou que vários outros semelhantes surgissem. Contudo, seu aparecimento no mercado foi determinante para colocar em cheque o sistema de táxi.

Com base nessas informações, podemos concluir que a inovação radical é um processo que parece ser desafiador e, definitivamente, arriscado, mas ela é capaz de conduzir mudanças expressivas e revolucionárias no mercado e nos modelos de negócio, gerando resultados surpreendentes.

As startups, amplamente marcadas pela cultura da transformação, têm como características a criatividade e a renovação. Por isso, elas tendem a ser um terreno fértil e o perfil ideal para esse tipo de inovação.

Gostou do post? Se sim, compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais para que sua rede tenha acesso a essas ideias de transformação!