No Brasil, cada vez mais pessoas estão dispostas a exercitar sua veia empreendedora e ter um negócio próprio. No entanto, como garantir que esse projeto se desenvolva de forma estruturada e conquiste sucesso e relevância no seu segmento? Para guiar o empresário na jornada no qual ele testará a viabilidade, escalabilidade e aceitação da sua ideia diante do público, vale a pena escolher uma metodologia para startup que o ajude nesse processo.

No post de hoje, exploramos com Guilherme Pereira, Head de Corporate Venture na FIAP, as principais metodologias, falar sobre sua importância desses métodos para o crescimento do negócio e como aplicá-los. Interessado? Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

Quais são as principais metodologias usadas atualmente?

As metodologias para startup usadas hoje são frutos de misturas de correntes de pensamentos, mecanismos, táticas e suas aplicações. Logo, elas são híbridos que se encaixam entre a concepção de método e ferramenta.

Elas podem ser usadas em conjunto ou complementar umas as outras, o que muda na escolha é saber identificar qual o tipo de instrumento ideal para cada momento da jornada de desenvolvimento de uma startup, que são:

  • Product-Solution Fit: meu produto/serviço é a solução para um problema real?
  • Product-Market Fit: o mercado comprará meu produto/serviço para resolver tal problema?
  • Growth Hacking: como extrair valor do produto/serviço desenvolvido?

Conheça algumas das principais metodologias:

Design Thinking

É uma abordagem que propõe a solução de problemas de forma inteligente e por meio do pensamento coletivo, colocando os stakeholders (pessoas envolvidas/interessadas) e seus processos de como centro das tomadas de decisões.

O Design Thinking é um bom aliado para a etapa inicial de uma startup, na qual o grande desafio da jornada empreendedora é compreender as condições do problema e as diretrizes para o surgimento de uma solução.

Lean Startup

Um método muito popular é o Lean Startup, conhecido, em tradução para o português, como a Startup Enxuta. Ele é formado por um conjunto de processos que propõe a criação de um protótipo, sua validação diante do mercado e do público-alvo e o aprimoramento da solução via feedbacks coletados durante as checagens.

A Lean Startup é ideal para quando a hipótese do negócio está pronta para evoluir para um Mínimo Produto Viável (MVP). Nesse momento, a proposta enxuta ajuda a encurtar o ciclo de desenvolvimento do produto e alinha os esforços da equipe com os de potenciais usuários. No mais, a metodologia dá suporte para que empreendedores pensem melhor sobre as funcionalidades e praticas que vão engajar e agregar valor a sua startup (customer development).

Lean Inception

Dentro do ciclo do Lean Startup, quando a empresa já tem um MVP, pode-se recorrer a outros métodos como o Lean Inception. Seu conceito é formar um grupo misto de desenvolvedores e representantes de quem seriam os clientes ou usuários finais do produto.

Esse time explora todas as funcionalidades e características do item em questão, interagem, trocam ideias e percepções. Assim, uma solução é criada e aprimorada coletivamente. Nesse sentido, esse mecanismo é útil para fases Product – Solution Fit e Product – Market Fit, para desenvolver um modelo de negócios que faça sentido.

Design Sprint

Indicado para a mesma fase do Lean Inception — produção e validação de produtos/serviços —, o Design Sprint permite que um time desenvolva, teste e aprenda com opções de soluções. Para isso, é organizado um mutirão que se concentra, em um período imersivo, a prototipar e testar conceitos.

Growth Hacking

A partir do momento em que uma startup já validou seu produto e modelo de negócios, ela deve focar em táticas com foco em tração. Nesse ponto, o Growth Hacking é um conjunto de práticas que ajudam o time a engajar adequadamente seu público, garantir a retenção e expandir a base de usuários. Com esse método, os empreendedores se concentram em processos que englobam:

  • aquisição de leads;
  • ativação da experiência do usuário;
  • formatos de fidelização;
  • construção de reputação;
  • maneiras de maximizar a receita.

Em suma, o desafio que o Growth Hacking propõe superar é tirar da ideia do papel, gerar resultado e crescimento.

Ferramentas complementares

No contexto de metodologia para startup, existem inúmeros recursos que enriquecem a aplicação de qualquer abordagem e propiciam maior organização e clareza de ideais. Aqui, destacamos:

  • Business Model Canvas: é uma proposta de estrutura que ajuda empreendedores a desenhar seu modelo de negócio de forma simplificada e objetiva, destacando seus pontos importantes e o que vai ser desenvolvido;
  • Trello: é uma ferramenta para gestão de trabalhos colaborativos;
  • SCRUM: é um framework ágil usado para o desenvolvimento de produtos.

Qual a importância do uso de uma metodologia para startup?

Ao longo do desenvolvimento de uma startup, é comum que empreendedores se sintam perdidos e cheios de incertezas. Entender que é preciso testar e aprender mais sobre suas ideias, além de priorizar o desenvolvimento, são aspectos importantes para superar os impasses e sentir maior confiança.

É nesse sentido que uma metodologia para startup tem um papel fundamental: orientar cada passo do empreendedor de forma funcional em um ambiente altamente impreciso. Desse modo, a equipe mantém o foco no que é mais importante para a geração de valor: o usuário.

Como aplicá-las nas startups?

Uma metodologia para startup tem a função de dissipar um pouco do caos e direcionar equipes para o desenvolvimento de uma nova solução. Para aplicá-las com sucesso, os empreendedores precisam ter determinação, resiliência e, sobretudo, saber identificar as fases de desenvolvimento de seu negócio e quais são os recursos indicados para cada uma delas.

No mais, cabe destacar que é imprescindível escolher as pessoas certas para trabalhar no seu negócio. O time de execução é, de fato, o fator de maior peso para o sucesso de uma startup.

Em geral, quem quer empreender não tem tempo ou recursos em excesso para se desperdiçar. Logo, a chave é contar com um cinturão de metodologias em que a centralidade do processo seja no usuário. O trunfo dos métodos disponíveis apresentados nesse conteúdo é possibilitar a iteração com possíveis clientes a todo o momento. Consequentemente, eles permitem, de forma rápida, testar, aprender e ajustar o produto e o modelo de negócios.

Como parceiros podem auxiliar?

Em um cenário desconhecido, parceiros podem fazer toda a diferença no êxito e no desenvolvimento de um negócio iniciante. Como destaque, as aceleradoras de startups trazem mais agilidade, conhecimento, referências, mentoria, contatos e formas de validar e escalar esses empreendimentos nascentes.

Os programas de aceleração visam reduzir o risco e, principalmente, impulsionar o time empreendedor, dar suporte para seguir em frente e colocar suas ideias em prática.

Uma boa metodologia para startup auxilia empreendedores a apurar seu negócio de forma mais rápida e objetiva, reforçando aspectos como a criação de valor da marca, engajamento de clientes e outros elementos importantes para que a empresa se coloque de modo efetivo e estratégico no mercado e proporcione uma experiência positiva para seus consumidores. Agora que você conhece essas opções, está preparado para escolher a ideal para o momento do seu negócio!

Ficou interessado em saber mais ou tem alguma dúvida sobre aceleração de startups? Entre em contato com a gente e conheça nossa proposta e serviços!

Powered by Rock Convert