Há algumas décadas, pensar em fazer viagens espaciais e pisar na Lua eram empreitadas inimagináveis, como coisas que existem apenas em filmes de ficção científica. Contudo, graças a inúmeras pesquisas e iniciativas, esses feitos aconteceram nos anos 60. E é justamente sobre essas quebras de barreiras e metas superambiciosas que se trata o conceito de Moonshot Thinking.

Esse movimento (ou metodologia) liderado pelo Google fala sobre a capacidade de levantar ideias incrivelmente disruptivas, que trazem para a nossa realidade transformações que causam impactos gigantes na sociedade, na economia, na cultura, no dia a dia das pessoas e, entre outras coisas, na performance das empresas.

Para empreendimentos como as startups, trata-se de criar projetos ou tecnologias que realmente garantirão uma vantagem competitiva, algo que revolucione o mercado e seu negócio. Neste post, explicaremos melhor esse conceito, seus benefícios e o que sua startup precisa saber para maximizar seu poder de inovação. Continue a leitura para saber mais!

O que é Moonshot Thinking?

Conforme adiantamos, o Moonshot Thinking é um termo intimamente ligado à missão espacial Apollo 11, que levou o homem à Lua. Nesse sentido, ele é usado no que se refere a grandes projetos, especialmente os que envolvem tecnologia e se qualificam como propostas e soluções nunca antes pensadas, extremamente disruptivas, que têm o objetivo de lidar com um problema ou questão de grande importância.

Por esses motivos, em geral, são iniciativas que envolvem altos custos, riscos e podem demandar um tempo mais longo de maturação. No entanto, a tendência é que os resultados sigam essa cadeia de pensamento exponencial; é por isso que o Moonshot Thinking é também associado ao movimento 10X, que busca ideias que vão gerar 10 vezes mais resultados e melhorias. O conceito foi adotado quando o Google fundou o Google X, seu misterioso laboratório de criações semi-secretas.

Em suma, o Moonshot Thinking resgata a curiosidade exploratória de conhecer o universo e o pensamento ambicioso a fim de tornar visões radicais do futuro em realidades. Com ele, elementos dignos de filme, como drones, carros autônomos e a inteligência artificial, são hoje assuntos cotidianos.

Quais são os benefícios?

Investir no Moonshot Thinking permite que startups tenham uma oportunidade única de serem protagonistas de uma grande mudança que altere drasticamente os hábitos, costumes e a vida das pessoas.

Além disso, ao adotar essa metodologia, o negócio tem a chance de reter talentos focados na vanguarda tecnológica e estudar possíveis soluções para grandes dilemas da humanidade, como mudanças climáticas, cura para doenças e longevidade e melhora da mobilidade de qualidade de vida nos centros urbanos.

Em uma era de avanços tecnológicos intensos, qualquer desafio que parece impossível de se resolver pode ser avaliado com o Moonshot Thinking. Com base nessa forma de pensamento radical, inovador e sem limitações processuais, sua startup pode começar a desenhar um projeto que causará uma revolução na vida que levamos hoje, mobilizando e criando novos mercados.

Quais outras empresas usam o Moonshot Thinking?

Como sabemos, o Google virou referência no quesito Moonshot Thinking, especialmente com a criação do Google X Lab e projetos inovadores, como o carro autônomo e o Google Glass. No mais, a empresa também aplica a tecnologia e o pensamento disruptivo para outros setores.

Um exemplo é o Projeto Loon, a ambiciosa ideia de usar balões atmosféricos para levar conexão à internet a áreas remotas do planeta, podendo permitir melhorias na comunicação para populações pobres ou que vivem isoladas.

Conhecida por seu pioneirismo no e-commerce e, sobretudo, nos processos logísticos, a Amazon apostou nos drones para otimizar e agilizar entregas, driblando questões como trânsito e altos custos com transporte.

Além dessas empresas que têm um amplo histórico de inovação, podemos pensar também em exemplos de negócios que reinventaram o mercado com suas soluções: a Netflix, que reinventou o streaming, o Airbnb, que causou disrupção no setor hoteleiro, e o Uber, que transformou a mobilidade urbana.

Como aplicar o Moonshot Thinking na sua empresa?

O Moonshot Thinking é um método interessante para potencializar um negócio, como a Lean Startup e o Blitzscaling. Entretanto, quando o assunto é implementá-lo em um negócio, não existem regras, abordagens ou mapas pré-definidos que indiquem o caminho a ser seguido pelos empreendedores.

Contudo, muitos especialistas já pensaram em ferramentas e sugestões que podem ajudar startups a redefinir suas operações e processos criativos. Fundador do X Prize Foundation e da Singularity University, o engenheiro, médico e empresário Peter Diamandis elencou 5 passos para introduzir o Moonshot Thinking nas empresas. Veja a seguir!

1. Contrate um grupo de jovens talentos para fazer investigações na empresa

Apostar em uma geração mais nova é uma boa ideia porque muitos jovens são passionais, curiosos e questionadores, têm vontade de reinventar o sistema e não têm noções preconcebidas sobre como as coisas devem funcionar. Logo, a ideia é recrutar uma “força tarefa” de jovens talentos com conhecimentos em ciência e engenharia.

2. Questione tudo e todos

Peça que sua “força tarefa” faça um exame profundo na empresa, fale com todos os envolvidos — funcionários, clientes, fornecedores etc. —, observe e documente os principais desafios — o que está faltando, por que certos processos são tão difíceis ou custosos ou quais são as reclamações dos clientes, por exemplo.

3. Gere ideias sem limitações

Com base nas pesquisas, o mesmo grupo pensará sobre como grandes problemas do negócio podem ser resolvidos, sem pensar em barreiras ou julgamentos. Tudo é possível.

4. Catalogue, priorize e selecione

O grupo deve eleger os 10 ou 15 assuntos mais urgentes e organizá-los com base no seu impacto — financeiro, competitivo, entre outros.

5. Financie as melhores ideias

Por fim, Diamandis sugere que empresas devam levantar recursos para tocar os projetos com maior potencial. No caso de startups, que muitas vezes têm um orçamento limitado, vale apresentar a ideia para investidores ou criar campanhas de crowdfunding para ter o capital necessário.

No mais, outros conhecedores do tema reforçam a importância de reconfigurar a forma como a empresa funciona, adotar um novo mindset e passar a pensar de forma exponencial para colocar o Moonshot Thinking em prática.

Afinal, o conceito tem tudo a ver com experimentação e com o ato de questionar e repensar o que já temos. Portanto, a empresa terá que passar por uma mudança de cultura e ter um novo olhar sobre o risco para ser capaz de se transformar o mundo.

O Moonshot Thinking é essencialmente um convite para que empresas de todo porte e segmento encarem grandes desafios sob uma perspectiva radical, elaborando propostas que não foram pensadas anteriormente e que causem impactos estrondosos. Agora é com você: qual revolução sua startup vai querer fazer no mundo?

Gostou do post? Então, confira também algumas dicas para manter a inovação constante na sua startup!