O trabalho remoto cresce cada vez mais entre as empresas, pois proporciona a flexibilização das atividades e a redução de custos. Assim, torna-se uma alternativa segura em tempos de crise, ajudando a deixar as operações mais eficientes. Porém, para surtir os efeitos desejados, é preciso que essa forma de atuação seja acompanhada por controles rigorosos, principalmente com relação à segurança da informação (SI).

O objetivo desse post é aprofundar o entendimento sobre quais os cuidados essenciais para manter o controle sobre os dados das empresas durante o home office. Para isso, vamos descobrir qual a importância das ações de monitoramento e prevenção contra os riscos associados a SI, e quais os cuidados necessários para minimizá-los. Acompanhe!

Importância da segurança da informação

O home office é uma das vertentes mais importantes para o futuro do trabalho, sendo um modelo de atuação que exige, necessariamente, atenção redobrada com a segurança da informação. Estamos nos referindo à proteção de dados sensíveis às operações das organizações que a afetam diretamente ou a terceiros, como clientes, fornecedores, lista de contatos etc.

Alguns exemplos de informações críticas geradas diariamente pelas empresas são contratos de venda, protótipos, estudos de mercado, dados cadastrais de clientes, relatórios gerenciais, entre outros. A legislação vigente sobre proteção de dados tem pesadas sanções para as organizações que não se adequarem às medidas nela determinadas.

Além da punição pelos órgãos reguladores, o vazamento de conteúdos sensíveis para a concorrência prejudica a atuação da empresa no mercado e compromete seu planejamento estratégico de longo prazo. Esses são alguns dos motivos que exemplificam bem a importância da segurança da informação e a necessidade de se implantar protocolos preventivos e inovadores no modelo de trabalho remoto.

Os riscos do vazamento de informação no home office

O trabalho remoto, devido a sua natureza de distanciamento físico e limitação do poder de monitoramento das atividades por parte dos gestores ou gerentes imediatos, apresenta riscos maiores sobre a segurança da informação. Confira alguns deles, a seguir.

Dispositivos inadequados

No trabalho remoto, é comum que os colaboradores acessem as redes privadas da empresa por meio de um computador pessoal, que pode não atender a todos os requisitos mínimos de segurança. Nessas situações, a troca de documentos pode ser afetada por arquivos maliciosos, oriundos de dispositivos que não tenham a devida atualização de programas e não passem por revisões periódicas de antivírus.

Também existem casos em que a própria organização concede um notebook ou celular para que o funcionário exerça as suas atividades em home office. Nessas situações, é preciso se certificar de que a criptografia ocorra sempre que o computador esteja em repouso, para garantir a proteção das informações, mesmo em caso de roubo ou perda.

Negligência com a informação física

A relação existente entre LGPD e startups é muito mais abrangente do que os dados armazenados em softwares. Devido aos avanços tecnológicos que surgem a todo momento, tendemos a focar apenas a segurança de TI, e nos esquecemos da importância que a documentação física representa para as empresas de maneira geral. Tais documentos também são vulneráveis e carecem de protocolos de controle devido ao risco de extravio e roubo.

No trabalho remoto, essas situações podem se agravar, pois há o risco de esses documentos serem confundidos com outros do ambiente familiar do funcionário. Alguns exemplos desse tipo de documento são currículos de terceiros, faturas, relatórios de avaliação, declaração de tributos e demais registros financeiros que, se vazados, podem comprometer a imagem da empresa e causar grandes prejuízos com processos judiciais e multas pesadas.

Uso de rede não privada

Algumas empresas precisam fornecer o acesso de um colaborador à sua rede interna para que ele consiga executar as suas atividades. Porém, o uso de redes que estão fora do poder de controle e monitoramento da empresa pode ser perigoso tanto pelo risco de golpes, como pela infecção por malwares e outros ciberataques. Sendo assim, é fundamental o controle do acesso por meio de redes privadas VPN’s e a utilização frequente de criptografia para a troca de informações.

Os cuidados para a segurança da informação no trabalho remoto

Depois de entendermos a importância da SI e os riscos que envolvem esse tema durante o home office, é preciso destacar quais medidas as empresas devem adotar para se precaver de situações de vazamento e, assim, conseguir manter a segurança dos seus dados.

Capacitação dos colaboradores

O treinamento da equipe para exercer tarefas remotamente é um passo importante para minimizar os riscos relacionados a segurança. Colaboradores que recebem preparação específica sobre o tema se tornam aptos a reconhecer os perigos relacionados ao seu trabalho.

Dessa forma, conseguem discernir os riscos associados a redes públicas ou Wi-Fi fora da empresa. Além disso, incorporam em suas atividades boas práticas no uso de dispositivos de armazenamento móvel, documentos impressos e comunicação por e-mail.

Segurança dos meio de conexão e uso de VPN

As empresas precisam dar atenção, também, à segurança dos meios de conexão. A solução de acesso VPN, do português Rede Privada Virtual, permite a integração de dispositivos remotos, como um funcionário em home office, com a rede corporativa interna de uma empresa, por exemplo.

Esse recurso é um dos mais seguros atualmente, pois possibilita até mesmo a criptografia do fluxo de dados. Isso significa que todas as informações transacionadas entre os computadores estarão assegurados em caso de interceptação.

Monitoramento e detecção de golpes

Ciberataques são mais frequentes do que imaginamos. É exatamente por isso que e as empresas precisam adotar o monitoramento constante sobre tudo o que é executado por meio de suas redes, plataformas e softwares.

A concessão e revogação de permissões deve ser efetuada de forma contínua e vigilante, estabelecendo horários fixos de acesso e demais diretrizes determinadas conforme o perfil do usuário e as características do seu trabalho, a fim de evitar fraudes e vazamentos de informações.

Fator duplo de autenticação

Utilizar um fator duplo de autenticação é importante para reduzir o risco de acesso não autorizado. Ao habilitar essa ferramenta, o usuário precisará informar normalmente o seu login e senha, mas também, confirmar o recebimento de um código de acesso específico encaminhado em um dispositivo previamente cadastrado como celular ou e-mail.

Como toda tecnologia de segurança, essa opção não elimina totalmente o risco de acesso indevido, mas o nível de proteção é consideravelmente superior aos logins convencionais.

Podemos observar que é prerrogativa das empresas garantir a segurança da informação de ponta a ponto no trabalho remoto, e também que existem inúmeras alternativas que podem ser incorporadas a esse modelo de atuação. As recomendações mostradas aqui são apenas parte de ações que são capazes de assegurar a SI no home office, devendo ser utilizadas como ponto de partida para a construção de uma política de segurança eficiente.

Então, consegue visualizar a importância da segurança da informação no contexto do trabalho remoto? Aproveite para compartilhar este artigo em suas redes sociais, pois assim você contribuirá para que mais pessoas tenham acesso a esse conteúdo.