Desde março de 2020, o Brasil e o mundo têm enfrentado uma situação inimaginável: a expansão de uma pandemia viral, altamente contagiosa, causada pelo novo coronavírus. A situação pegou muitos de surpresa, não só a sociedade em si, mas também, as empresas. Foi preciso se reinventar para enfrentar a crise ocasionada por essa doença.

Algumas startups, levando em consideração o seu aspecto inovador, têm sido grandes aliadas no combate a essa doença. Pensando nisso, reunimos duas delas, neste artigo, que criaram soluções únicas e que têm ajudado a sociedade a passar por esse momento por meio de serviços essenciais. Confira!

Papel das startups em momentos de crise

Inovação, escalabilidade e flexibilidade são algumas das principais características comuns entre as startups. O papel exercido por esse modelo de negócio tem forte impacto na organização social tal como conhecemos e, em determinados momentos, como o de crise humanitária e econômica que vivemos, ele fica mais evidente.

Em épocas de crise, as startups se tornam um segmento de mercado que trabalha ativamente na retomada do crescimento. Atuam junto a profissionais com forte propósito de viabilizar soluções para a sociedade, sejam elas tecnológicas, sejam de produtos ou mesmo mobilidade.

Mesmo em momentos incertos, o que leva milhares de empresas a ter mais cautela, tal modelo de negócio tem uma visão estratégica sobre a capacidade de contribuir para a renovação do mercado.

Startups e a luta contra o coronavírus

Se há alguns meses falássemos que uma pandemia mudaria drasticamente os rumos do planeta, provavelmente, poucas pessoas acreditariam. O fato é que todos foram pegos de surpresa, o que exigiu uma rápida modificação no nosso modelo de vida.

Por exemplo, o sistema de saúde brasileiro é um dos maiores do mundo, mas um país com dimensões continentais como o nosso precisa de muito mais. É então que as startups têm entrado, a fim de ajudar a atenuar os problemas causados pela pandemia.

A própria cultura inovadora desse tipo de negócio é um campo fértil para a criação de soluções paliativas para suprimir um potencial colapso no sistema de saúde. Algumas delas, aceleradas pela Oxigênio, já colocaram em funcionamento ideias, as quais mostraremos a seguir.

Hilab e o teste de COVID-19 nas farmácias

A Hilab nasceu de uma demanda por maior rapidez nos testes de sangue e o diagnóstico de doenças. A startup healthTech é um laboratório que tem sede no Paraná e oferece serviços de exames laboratoriais a farmácias, clínicas e consultórios médicos em todo o Brasil.

Com apenas algumas gotas de sangue da ponta do dedo, o dispositivo criado pela empresa, usando recursos como a Inteligência Artificial, é capaz de identificar uma série de doenças e também condições do organismo.

A startup ganhou um grande espaço na mídia devido à implementação de um teste para detecção da COVID-19, destacado pela agilidade e baixo custo quando comparado aos métodos tradicionais. Desde dezembro, ela vem monitorando o avanço da pandemia pelo mundo e, hoje, oferece pelo mesmo sistema a capacidade de detectar o coronavírus.

O baixo preço repassado aos revendedores é uma das preocupações da empresa, que também tem focado em cobrir o maior número de pessoas possíveis. De acordo com Marcus Figueredo, CEO da Hi Technologies, detentora da marca Hilab, foi graças às parcerias que eles estão conseguindo atender à demanda de produção de testes.

“A perspectiva é que, em poucas semanas, possamos testar o máximo de pessoas possíveis, colaborando com a ágil detecção de casos de COVID-19”, ressalta.

Inovação e agilidade

A ideia de democratizar o acesso a testes rápidos e que ajudem no controle da dispersão do vírus é uma preocupação da empresa. Isso vai ao encontro do seu propósito dentro do ecossistema de startups de oferecer soluções inovadoras para problemas que atingem a sociedade.

“A agilidade das startups é ponto-chave em um momento como a pandemia do coronavírus, porque estamos acostumados a nos adaptar de forma rápida para mudar os nossos produtos ou serviços para atender às necessidades que podem surgir repentinamente.”

Dessa forma, como conclui Figueiredo, a Hilab vem se destacando nessa pandemia, comunicando o teste desenvolvido pela startup que, de forma rápida, pode auxiliar no diagnóstico da doença.

Psicologia Viva e o atendimento psicológico gratuito

A Psicologia Viva nasceu com a proposta de ser uma plataforma de atendimento psicológico online e é a maior da América Latina nesse modelo. Isso foi possível graças à união entre profissionais da área e pessoas que precisavam de serviços mais democráticos, sem contar as empresas que oferecem tal possibilidade aos seus colaboradores.

O forte compromisso com a saúde mental das pessoas fez com que essa startup criasse soluções únicas para o atendimento em meio à crise do coronavírus. Duas iniciativas foram estabelecidas nesses tempos, uma para os moradores de São Paulo e a outra para brasileiros que residem na Itália.

A primeira, inclusive, foi retirada do ar, dada a demanda que ultrapassou as expectativas, mas a segunda continua ativa. Ambas têm a mesma ideia, que é oferecer uma consulta gratuita para as pessoas que precisam de atendimento. A Psicologia Viva arca com esse valor de primeira consulta junto aos profissionais de psicologia.

Só para se ter uma ideia, a procura cresceu cerca de 40% desde o dia 15 de março — e a previsão era de 15%. Outras iniciativas também têm sido desenvolvidas junto de empresas e operadoras focadas em assistência da saúde mental e emocional da população.

Crescimento da telemedicina

Para Fabiano Carrijo, CEO da Psicologia Viva, esse é um momento de crescimento para startups que lidam com algum tipo de teleatendimento. No entanto, ele destaca que é fundamental que a empresa colabore com a sociedade, seja direta, seja indiretamente.

“Foi um investimento alto, mas feito com muita gratidão pelo retorno que tivemos. Quando fazemos isso, nós não temos como prioridade a divulgação, mas sim, chegar às pessoas que estão precisando”, destaca.

Outra preocupação da startup, de acordo com o CEO, é trabalhar o blog com materiais voltados para a temática do momento. “O isolamento social aumenta o nível de depressão na sociedade, e nós estamos trabalhando com conteúdos para auxiliar as pessoas a passarem por esse momento com um pouco menos de estresse e mais saúde emocional”, lembra.

A necessidade de auxílio entre as startups é mais um ponto a ser destacado. Carrijo conta que muitos do serviços utilizados internamente são de outras startups, e que várias delas entraram em contato para saber se era preciso descontos ou suspender pagamentos. Para ele, a iniciativa motivou a dar consultas pagas para algumas delas. A ideia é ajudar o ecossistema da startup a continuar ativo.

Diante de uma situação em que o futuro é incerto, as startups têm um papel fundamental, atuando como criadoras de soluções inovadoras em meio à pandemia de coronavírus. Isso mostra a força e o papel social que esse negócio tem no mundo moderno.

A sua startup também está focada em criar soluções únicas para o mercado? Entre em contato conosco e conheça as nossas soluções de apoio!